MEI pode emitir boleto bancário?

Você já se perguntou se o MEI pode emitir boleto bancário para recebimento de seus vendas ou serviços? Veja a seguir como funciona.

Realizar cobrança por meio de boleto torna o recebimento mais seguro, fácil e rápido. Sim, o MEI pode emitir boleto bancário.

Para poder emitir boleto de cobrança basta ter uma conta corrente habilitada para tal fim. Para isso, você deve ir até a sua agência bancária e pedir para que o gerente habilite a cobrança por meio de boletos em sua conta. Em alguns bancos é o possível fazer isso pelo aplicativo, nesse caso, você deve realizar uma pesquisa para verificar como funciona no seu banco.

Pronto MEI! Você já pode emitir boleto bancário.

MEI pode emitir boleto bancário?

O que é um boleto e como funciona?

O boleto bancário é um instrumento de pagamento. Trata-se de um título de cobrança de valores oriundos de vendas realizadas ou serviços prestados e que pode ser pago em qualquer agência bancária, casa lotérica ou mesmo pela internet, o que facilita seu pagamento.

O cedente (MEI) emite o boleto e envia para o sacado (cliente) e este realiza o pagamento por quaisquer dos meios acima citados, utilizando o código de barras constante no documento.

Tipos de boletos bancários

  • Boleto avulso: Este é o mais comum, sendo utilizado para fazer as mais diversas cobranças de forma separada.
  • Boleto em formato carnê: É o mais utilizado para a cobrança de mensalidades.

Programa gerador de boleto

Você precisa de um programa para emitir boleto bancário caso queira fazer cobranças por esse meio.

Existem diversos programas para emissão de boletos bancários, alguns pagos e outros gratuitos.

Como sugestão, você pode acessar o site www.baixaki.com.br ou mesmo o www.google.com.br, realizar uma pesquisa e baixar o que mais lhe agradar.

Como dissemos, alguns bancos também disponibilizam essa função por meio do aplicativo.

Pronto, agora você já sabe que o MEI pode emitir boleto bancário. Aproveite essa ótima forma de recebimento.

Franquia chiquinho sorvetes (2021)

A franquia Chiquinho Sorvetes é uma das mais conhecidas no Brasil e uma das principais franquias do seu ramo de negócio. Interessado em abrir uma franquia em 2021? Veja abaixo mais informações.

Empresa do segmento de sorvetes, bebidas, cafés, doces e salgados, a Chiquinho Sorvetes foi fundada em 1980, na cidade de Frutal, em Minas Gerais, tendo passado a atuar como franquia no ano de 2010.

Atualmente a franquia conta com quase 600 unidades espalhadas por vários estados do país. A franquia já ganhou o prêmio de excelência em franchising brasileiro em vários anos.

O cardápio da Chiquinho Sorvetes inclui casquinhas, milkshakes, sobremesas, sundaes, produtos derivados do sorvete e itens sazonais. No inverno, época em que a venda de sorvetes fica em baixa, a Chiquinho oferece chocolate quente, cappuccino, bolo de caneca e fondue de frutas. As receitas são exclusivas e padronizadas pela marca.

Franquia chiquinho sorvetes

Franquia chiquinho sorvetes – Preço

O investimento inicial é a partir de R$ 300 mil. O retorno do investimento ocorre em média entre 24 e 36 meses.

Estrutura

A franquia com as opções de loja tradicional, loja de shopping, loja básica e quiosque, cada uma com estruturação diferente, portanto, dependerá de qual for o seu modelo.

Ficha

  • Tipo de negócio: Sorvetes, bebidas, cafés, doces e salgados.
  • Data de fundação da empresa: 1980
  • Investimento inicial: a partir de R$ 300.000
  • Taxa de franquia: R$ 60.000 – pode ser diferente dependendo do modelo
  • Prazo médio de retorno do investimento: 24 a 36 meses
  • Número médio de funcionários: 8 a 20
  • Site: www.chiquinho.com.br/

Veja abaixo o vídeo institucional produzido pela franquia chiquinho sorvetes:


Você possui uma franquia chiquinho sorvetes ou tem mais informações?

Certificado digital para MEI – 2021

Muita gente tem dúvidas sobre se MEI precisa de certificado digital. Conforme Seção IV, artigo 102 da Resolução nº 94/2011:

Art. 102. O MEI não estará obrigado ao uso da certificação digital para cumprimento de obrigações principais ou acessórias, bem como para recolhimento do FGTS. (Lei Complementar n º 123, de 2006, art. 26, § 7 º )

Essa é a regra geral, ou seja, de início, o MEI não precisa de certificado digital, mas siga a leitura, pois em alguns casos o uso é obrigatório.

O certificado digital MEI serve como um documento de identidade eletrônico utilizado para diversas transações. Algumas empresas estão obrigadas por lei a possuírem tal certificado, mas não é o caso do MEI, este não precisa da certificação eletrônica, mesmo que tenha funcionário contratado.

Contudo, há uma exceção a regra. Observando o perguntas e respostas do Portal do Empreendedor do Governo, há a informação de que o MEI não é obrigado:

“exceto se optar em emitir nota fiscal eletrônica, de acordo com as legislações tributárias estadual e municipal”.

Dessa forma, dependendo do seu estado ou município, pode ser exigido certificado digital caso você vá emitir nota fiscal eletrônica.

Assim, caso você precise, o MEI pode ter um certificado digital.

Certificado digital para MEI

Certificado digital para MEI: Vantagens

Um certificado digital funciona como a assinatura eletrônica do seu negócio, ou seja, equivale à sua assinatura física no papel. O sistema utiliza chaves criptográficas para dar segurança à assinatura e confirmar a sua identidade digital. Há assinaturas eletrônicas em vários formatos como um token, cartão magnético, pendrive ou mesmo no formato de um arquivo.

Caso o MEI adquira seu certificado digital, terá garantida a autoria da nota fiscal eletrônica por ele emitida.

O certificado digital também serve como assinatura do seu contato com o Receita Federal, fazendo com que você receba, em um ambiente seguro, informações sobre dados cadastrais, declarações e legislação.

Certificado digital para MEI – Como conseguir

Como visto, o MEI pode ter certificado digital e, caso tenha interesse na obtenção do certificado digital, deve procurar uma empresa para emissão, como a Serasa Experian. O certificado digital oferecido por eles possui um bom preço.

Outras empresas também podem fazer a emissão do certificado digital. Recomendamos que você escolha uma empresa de confiança e que o preço atenda às suas necessidades.

Esclarecido dessa forma, que a regra geral é que o MEI não precisa de certificado digital. Contudo, nos casos de necessidade, você viu como conseguir seu certificado digital MEI. 

MEI pode participar de licitação? (2021)

Você já se perguntou se o MEI pode participar de licitação e vender para órgãos públicos? Pois é, essa é uma dúvida que muito tem, pois nem sempre o MEI pode participar. Veja a seguir mais informações.

O pequeno empreendedor cadastrado como MEI, em verdade, funciona como uma empresa “normal” no que se refere à formalização, possuindo CNPJ e podendo emitir nota fiscal, de forma que, caso você possua a qualificação necessária para prestar o serviço ou fornecer o produto em questão, você pode, certamente, fazê-lo a órgãos públicos. Ou seja: MEI pode participar de licitação, mas nem todas.

MEI pode participar de licitação acima de 80 mil

Essa é uma dúvida que muitos possuem. O limite atual de faturamento anual do MEI é de R$ 81 mil. Portanto, se o MEI participar de um procedimento licitatório com valor muito acima disso ele deixaria de ser MEI.

Em todo caso, se você estiver com dúvidas o mais correto é entrar em contato com a organizadora do procedimento licitatório.

Como o MEI poderá participar de licitação?

Órgãos Públicos, sejam eles na esfera municipal, estadual ou federal, têm as mais diversas necessidades de realizações de serviços e, para boa parte dessas necessidades, não existem funcionários do próprio órgão para execução. Assim, alguém deve ser contratado para realizar a tarefa por meio de licitação e, sim, o MEI pode participar de licitação e prestar serviços para órgãos públicos.

Para compra de produtos a mesma regra é valida. Os órgãos têm fornecedores para suas necessidades, podendo o MEI vender tais produtos.

MEI pode participar de licitação

Como o MEI pode participar de licitação?

Qualquer contratação feita por parte de um órgão público deve obedecer a princípios legais.

A Lei obriga os órgãos públicos a realizarem procedimentos licitatórios para a contratação dos mais diversos serviços. Em alguns casos, no entanto, a própria lei permite que, principalmente para serviços e compras de menor complexidade e custo, o órgão público contrate diretamente, sem a realização de licitação.

No entanto, mesmo nesses casos, alguma formalidade deve ser observada, como a apresentação da documentação por parte do prestador de serviços ou vendedor.

Você MEI, como prestador de serviços ou vendedor, deve estar sempre atento à essas oportunidades. Se o produto que você vende ou serviço que presta puder ser, de alguma forma, oferecido a órgãos públicos, não deixe de aproveitar essa oportunidade.

Requisitos par o MEI participar da licitação

Cada edital de licitação trará suas normas para participação, mas, no geral, você precisará dos seguintes documentos par se credenciar:

  • Registro Geral – RG – do fornecedor;
  • CPF do fornecedor;
  • Registro Geral – RG – do cônjuge / companheiro (a) do fornecedor, se for o caso;
  • CPF do cônjuge / companheiro (a) do fornecedor, se for o caso;
  • Certificado de Condição de Microempreendedor Individual;
  • Inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas – CNPJ; e
  • Certidões de casamento, união estável, de separação judicial, de óbito, etc., ou declaração, sob as penas da lei, manifestando seu estado civil.

Além disso, o Microempreendedor Individual – MEI –  não deverá possuir pendências com os fiscos federal, estadual e municipal, pois você deverá apresentar certidões negativas para a contratação.

Vantagens de participar de licitação

A realização de serviços para o setor público pode ser uma ótima fonte para aumentar sua renda.

Procure os órgãos públicos municipais, estaduais e federais da sua cidade e verifique a existência de procedimentos licitatórios para contratação de serviços ou compra de produtos.

Em muitos casos, vários desses procedimentos já foram realizados na sua cidade e, por não ter procurado, você pode ter deixado de vender ou prestar seu serviço a algum órgão público.

Bem, agora que você já sabe que o MEI pode participar de licitação, bem como  prestar serviços para órgãos públicos, não perca essa ótima oportunidade de ganhos, aumentando seu leque de clientes.

Carnê da Cidadania 2015 é verdadeiro, não é fraude!

Nos últimos dias têm circulado nas redes sociais informações de que os Carnês da Cidadania 2015 encaminhados pelos correios às residências dos MEIs tratavam-se de uma fraude e que deveriam ser desconsiderados.

ATENÇÃO, os carnês são verdadeiros. A Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE), emitiu nota para esclarecer o ocorrido.

Carnê da Cidadania 2015 é verdadeiro, não é fraude!
Segundo explicou a Secretaria, os carnês começaram a ser enviados no mês de janeiro de 2015 aos 4,7 milhões de microempreendedores individuais cadastrados e, ainda segundo a SMPE, isso foi feito visando “facilitar o acesso as guias de pagamento das contribuições”.

As postagens das redes sociais que afirmavam que o carnê tratava-se de uma fraude foram compartilhadas por cerca de 150 mil pessoas.

A Secretaria da Micro e Pequena Empresa informa, contudo, que os MEIs que preferirem, podem continuar a baixar e imprimir as parcelas do carnê pelo Portal do Empreendedor.

Segundo o ministro Guilherme Afif Domingos, devido à alta inadimplência por parte de alguns MEIs foi tomada a decisão de remeter o carnê pelos correios.

“O MEI [microempreendedor individual] utilizou o portal para se inscrever, mas não tem o hábito de utilizar a internet também para imprimir os boletos todos os meses, por isso, resolvemos voltar ao velho e bom carnê.”

Portanto, se você recebeu o carnê da cidadania 2015 em sua casa saiba que o mesmo é verdadeiro, não se trata de golpe.

MEI declara imposto de renda 2021?

Uma dúvida muito comum é se MEI declara imposto de renda? Dúvida totalmente válida e importante, tendo em vista a manutenção da regularidade do negócio depender da apresentação das declarações e relatórios devidos. Vamos ao esclarecimento dessa e outras dúvidas, bem como prazo para declaração em 2021.

Em linhas gerais, podemos afirmar que o MEI declara imposto de renda como pessoa jurídica que é, tendo até o dia 31 de maio de 2021 para enviar a Declaração Anual do Simples Nacional do MEI (DASN-SIMEI), referente ao ano de 2020, por meio do Portal do Simples Nacional.

No entanto, de acordo com sua renda anual e seus bens pessoais, o MEI poderá, ainda, ter que enviar à Receita Federal uma declaração de imposto de renda de pessoa física. Dessa forma, se você teve rendimentos tributáveis em 2020 maiores que o limite, deverá fazer, além da declaração anual de MEI, a declaração de imposto de renda como pessoa física. Uma não exclui a outra. Explicamos mais neste artigo.

MEI declara imposto de renda - 2016?
A apresentação da declaração é realizada de maneira totalmente gratuita e não necessita da instalação de qualquer programa de computador. Você deve possuir basicamente três informações para a declaração:

  • Faturamento no ano anterior;
  • Quanto foi obtido por meio de revenda (comércio) ou venda (indústria) de produtos;
  • Se possui algum empregado.

Para conseguir as informações acima, consulte seus relatórios mensais e notas fiscais emitidas no ano anterior.

Como o MEI declara imposto de renda?

  • 1º No sistema do Simples Nacional, selecione a opção Cálculo e Declaração, presente na aba referente ao Simei;
  • 2º Na página seguinte, clique no link – Declaração Anual Simplificada para o MEI – e selecione o ano-calendário (2020) na linha -Original- ou -Ratificadora- se você estiver fazendo uma correção;
  • 3º Clique em -Continuar- e preencha os dados de acordo com seus registros.

MEI paga imposto de renda com a declaração?

Não. A declaração anual tem caráter unicamente informativo. Desde que você esteja com os rendimentos dentro do limite anual de R$ 81.000,00 (oitenta e um mil reais), não há qualquer outro imposto ou taxa a ser pago.

A diferença de declaração para o MEI que possui contador e para o que não possui. Portanto, se você possui contador, consulte-o para tirar suas dúvidas.

Prazo para declaração MEI 2021 e multa

O prazo para entrega da declaração referente ao faturamento em 2020 e até 31 de maio de 2021.

Caso não apresente a declaração anual até a data máxima, haverá a cobrança de multa. Além disso, o MEI ficará impedido de gerar a DAS, documento de pagamento mensal obrigatório pelo MEI, ficando, ainda, inadimplente com o Simples Nacional.

Para concluir, o MEI também poderá perder eventuais benefícios previdenciários e, por estar inadimplente junto à Receita Federal, não poderá conseguir a certidão negativa desse Órgão, o que o impede de conseguir financiamento bancário, por exemplo.

Selecionamos, ainda, para você, um vídeo do SEBRAE-SC mostrando como fazer a declaração anual:

Caso ainda existam dúvidas, entre em contato com o Sebrae pelo número 0800 570 0800, ou com a Receita Federal pelo Receitafone, número 146.

Como vimos, o MEI declara imposto de renda – 2021, então, não perca o prazo e evite multas.

MEI pode ter funcionário?

Você já se perguntou se o MEI pode ter funcionário? Esse é um ponto importante, pois com um funcionário o pequeno empreendedor aumenta sua capacidade de realizar serviços. Veja a resposta mais adiante.

Antes de detalhamos já esclarecemos que sim, o microempreendedor individual pode ter funcionário. Mas quantos? Quanto pode pagar de salário? Como contratar? Quais documentos necessários para contratação? Veja abaixo essas e outras questões referentes à contratação de funcionário por parte do MEI.

Quantidade, salário do funcionário e contribuição do MEI

O MEI pode contratar até um funcionário. A remuneração do funcionário do MEI pode ser de, no máximo, um salário mínimo vigente, ou o piso salarial da categoria.

A contribuição do MEI é de 11% referente ao salário pago ao funcionário. Desses, 8% são descontados do salário do funcionário e 3% são de responsabilidade do MEI, ou seja, você mesmo paga. Dessa forma, os valores mensais podem se alterar com o passar dos anos, tendo em vista que tanto o salário mínimo como o salário base da categoria podem ser ajustados.

Além dos 3% de responsabilidade do empregador referente ao INSS, o MEI também deve depositar o FGTS, calculado à alíquota de 8% sobre o salário do empregado. Em resumo, 11% são de responsabilidade do empregador, sendo 3% de previdência e 8% de FGTS.

No caso de funcionária com direito a salário maternidade, tal benefício será pago pelo INSS.

Fica claro, dessa forma, que MEI pode ter funcionário. Vamos a outros esclarecimentos!

 

MEI pode ter funcionário?

Documentos para contratação de funcionário

O MEI pode realizar a formalização da contratação de funcionário por conta própria ou optar por ter auxilio de um contador. Caso contrate um profissional de contabilidade, tal serviço poderá ter os custos cobrados pelo contador.

Os documentos que o funcionário deve apresentar são:

  • Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS;
  • Certificado Militar;
  • Certidão de Casamento e de Nascimento;
  • Declaração de dependentes para fins de Imposto de Renda na fonte;
  • Atestado Médico Admissional;
  • Declaração de rejeição ou de requisição do vale-transporte;
  • RG – cédula de identidade;
  • CPF;
  • Cartão PIS (Programa de Integração Social).
  • Outras informações como comprovante de endereço e telefone, mas esses não são obrigatórios.

Procedimentos do MEI para contratação de empregado

Após receber a documentação do funcionário, o MEI deverá tomar as seguintes providências:

  • Anotar na CTPS a data de admissão, a remuneração e as condições especiais, caso existam;
  • Devolver ao empregado a CTPS em 48 horas. Aconselhamos que você faça um termo de recibo, do tipo “Eu, fulano de tal(funcionário), recebi a CTPS número XXXXX, de fulano de tal(empregador);
  • Preencher a ficha de salário-família;
  • Incluir a contratação no CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados;
  • Até o dia 15 de cada mês, o MEI deverá postar o formulário que pode ser adquirido nos próprios Correios, no qual há a informação sobre o movimento de pessoal ocorrido do mês anterior;
  • Efetuar o cadastro no PIS, caso o empregado ainda não possua;
  • Recolher mensalmente o INSS sobre o valor do salário pago, no total de 11%, através da GPS código 2003 – CNPJ – Simples Nacional;
  • Recolher mensalmente o FGTS, sendo a alíquota de 8% sobre o valor do salário pago;
  • Apresentar a Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social – GFIP/FGTS;
  • Apresentar a anualmente a Relação Anual de Empregados – RAIS, ao Ministério do Trabalho e Emprego – MTE;
  • Você deve arquivar os documentos comprobatórios de cumprimento das obrigações trabalhistas e previdenciárias, pelo período de até 30 anos.

E o eSocial?

O MEI tem acesso ao  Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas eSocial.

O Microempreendedor Individual que tiver empregado deve obrigatoriamente usar o eSocial.

Para saber mais, confira o vídeo de André Spínola sobre o tema:

Vimos então, neste artigo, que o MEI pode ter funcionário.

Empréstimo para MEI – Microempreendedor individual

Formalizando seu pequeno negócio como MEI você passa a ter acesso a alguns serviços que só empresas possuem. Uma dessas vantagens é poder obter empréstimos bancários com taxas diferenciadas. Você sabe como funciona o empréstimo para MEI? Veja a seguir.

Antes de falarmos sobre os empréstimos disponíveis gostaríamos de deixar claro que você deve utilizar essa ferramenta com cuidado, visando evitar endividamento desnecessário.

Empréstimo para MEI - Microempreendedor individual

 

Opções de empréstimo para MEI:

Empréstimo para capital de giro

Muitas vezes o MEI precisa de um empréstimo para fazer seu negócio girar, em razão disso foram criadas algumas linhas de empréstimo para capital de giro.

Para conseguir esse tipo de empréstimo é importante não ter restrições no SERASA. Para o MEI essa restrição vale tanto para o CNPJ, pessoa jurídica, quanto para o CPF, pessoa física.

As linhas de crédito mais comuns são as feitas na Caixa e no Banco do Povo Paulista. Importante lembrar que você pode utilizar o SEBRAE para a apresentação de garantias.

As linhas de crédito mais populares são:

  • Parceria da Caixa e do FAMPE/Sebrae,  até R$ 12,5 mil de crédito, com prazo de pagamento de 24 meses, nove meses de carência, a uma taxa de juros de 1,59% ao mês. Clique aqui e veja.
  • Banco do Povo Paulista, até R$ 21 mil, taxa de juros de 0,35% a 0,80% ao mês. Clique aqui e veja.

Caixa Econômica Federal

A página oficial pode ser acessada neste link.

Banco do Brasil

A página oficial pode ser acessada neste link.

Microcrédito para MEI

Microcrédito é uma linha especial de empréstimo para o microempreendedor individual – MEI que envolve menores valores e menor burocracia.

Esse tipo de empréstimo pode ser conseguido com agentes operadores de crédito. No site do BNDES você tem acesso à: Lista de agentes operadores de recursos ao microempreendedor.

Assim como nos tipos de empréstimos anteriores, esse crédito deve ser utilizado com responsabilidade. Lembre-se que esse dinheiro extra é para fazer seu negócio crescer. A obtenção de um empréstimo para MEI só vale a pena se aumentar o faturamento do seu negócio.

Como está o seu cadastro como MEI?

O MEI tem sua formalização bastante simplificada, contudo, isso não quer dizer que você não precise manter sua formalização em ordem.

Antes de dirigir-se a qualquer banco você deve reunir toda a documentação referente a seu negócio, bem como documentos pessoais.

Outro ponto que gostaria de chamar a atenção é quanto ao fato de você conseguir demonstrar, de maneira contábil, a rentabilidade do seu negócio.

Muita gente reclama que vai ao banco e eles não mostram interesse em conceder o crédito. Bancos procuram lucro. O negócio mais lucrativo para o banco é emprestar dinheiro, contudo, eles só o fazem se verificarem que irão receber o pagamento pelo crédito.

Dessa forma, um negócio organizado faz toda a diferença. Lembramos sempre, também, que embora o MEI não seja obrigado a possuir contador, o auxílio de um profissional ajuda bastante na organização.

Você viu, neste artigo como funciona o empréstimo para MEI.

Planilha fluxo de caixa simples – MEI (2021)

Está à procura de uma planilha fluxo de caixa simples para MEI? Está no lugar certo, veja mais a seguir.

Primeiramente, para esclarecer, fluxo de caixa é um instrumento contábil básico que auxilia no controle de caixa e planejamento financeiro do empreendedor. O controle pode ser feito utilizando uma planilha, conforme mostramos mais adiante.

Embora não seja obrigatório para o microempreendedor individual – MEI, sua utilização é recomendável para melhor organização de seu empreendimento, bem como para facilitar a elaboração do Relatório Mensal de Receitas Brutas, que é de confecção obrigatória.

Muitos MEIs pensam que, pela aparente simplicidade de seu negócio e por não precisarem de contador, não devem adotar mecanismos de controle financeiro. Engana-se quem pensa assim, pois administrar corretamente as finanças certamente aumentará a lucratividade de seu negócio e o fluxo de caixa é o instrumento adequado para você MEI, pois é de preenchimento muito simples.

Planilha fluxo de caixa simples - MEI

Na planilha de fluxo de caixa são registrados todos os recebimentos (vendas e serviços à vista, à prazo, duplicatas, entre outros) e todos os pagamentos (compras à vista, à prazo, duplicatas, pagamento de despesas e outros). A previsão e preenchimento podem ser feitos por dia, mês, semestre ou ano.

A utilização do fluxo de caixa é bastante simples, pois se resume ao preenchimento do que você recebeu ou tem a receber e o que pagou ou tem a pagar. Um fluxo de caixa pode ser feito manualmente em um caderno, por você mesmo, embora essa seja a forma mais trabalhosa.

Visando simplificar seu trabalho, o blog Portal MEI elaborou uma planilha fluxo de caixa para MEI feita no Microsoft Excel, com download gratuito. Preocupamo-nos em fazê-la de maneira bastante simples, de forma que você não terá dificuldades em preenchê-la.

Download da planilha fluxo de caixa simples para MEI

Para fazer o  download da planilha é bastante simples, basta clicar aqui.

Saiba mais sobre fluxo de caixa

Para saber ainda mais sobre fluxo de caixa, confira esse vídeo do SEBRAE sobre o assunto:

Esperamos que gostem de nossa planilha fluxo de caixa simples para MEI!

MEI precisa de contador?

MEI precisa de contador? De acordo com a Lei Complementar nº 128, de 19/12/2008, que trata do microempreendedor individual – MEI, com limite de faturamento em R$ 81.000,00 anuais, o microempresário dessa categoria não é obrigado a contratar escritório de contabilidade, bem como está dispensado da contabilidade formal, não precisando escriturar nenhum livro.

Contudo, o microempreendedor individual – MEI não deve trabalhar de maneira desorganizada, devendo manter o controle do que compra, vende e quanto está ganhando com seus serviços, pois é de extrema importância para que se mantenha na categoria de MEI, o respeito ao limite de faturamento. Para tal controle, é importante utilizar uma planilha fluxo de caixa.

Em alguns casos, a contratação de um contador pode ajudar.

MEI pode ter contador?

O MEI  não é obrigado a ter contador, mas caso queira que seu serviço contábil seja realizado de maneira mais profissional, a contratação de um contador pode ser feita.

Um contador pode ajudar na organização do negócio, bem como contribuir com vários pontos importantes.

Por exemplo, para conseguir empréstimo ou para a emissão de um DECORE, o trabalho de um contador pode ser primordial.

Assim, para deixar claro, o MEI não é obrigado a ter contador, mas o acompanhamento por um profissional facilita e muito o trabalho do mesmo.

Além disso, o MEI que possui contador possui vantagens na hora da declaração anual.

MEI precisa de contador? Não, mas precisa de controle

Mesmo sabendo que o MEI não precisa de contador, este deve manter em arquivo as notas de compra de mercadorias, documentos do empregado contratado, se houver, e canhoto das notas fiscais que emitir. Assim, o MEI deve manter uma contabilidade básica.

Na verdade, essa pequena necessidade de organização serve para benefício do próprio MEI, de forma que o mesmo terá maior controle sobre as finanças de sua atividade bem como sobre seu faturamento efetivo.

Relatório Mensal das Receitas Brutas

Até o dia 20 de cada mês, o MEI deve preencher o Relatório Mensal das Receitas que obteve no mês anterior, ou seja, até o dia 20 de fevereiro, o MEI deve fazer o relatório do faturamento obtido em janeiro, por exemplo.

Para garantir a organização “mês a mês”, o MEI deve anexar ao relatório as notas fiscais de compras e de serviços, bem como as notas fiscais que emitir. Nós recomendamos que você crie pastas de arquivo, uma para cada mês e caixas de arquivo, uma para cada ano. Isso manterá sua documentação organizada e de fácil acesso.

O Portal do empreendedor disponibiliza: Modelo do Relatório Mensal de Receitas Brutas.

MEI precisa de contador

Declaração Anual Simplificada (faturamento)

Anualmente o Microempreendedor Individual – MEI deve fazer a declaração do faturamento referente ao ano anterior. A primeira declaração poderá ser preenchida pelo próprio MEI ou por contador optante pelo Simples, gratuitamente.

O Portal do empreendedor disponibiliza: Declaração Anual do Simples Nacional – DASN-SIMEI.

Atrasou o pagamento mensal?

Em caso de esquecimento do pagamento na data correta, haverá cobrança de juros e multa. A multa é de 0,33% por dia de atraso, até o limite de 20%. Os juros são calculados com base na taxa Selic, sendo de apenas 1%, caso se trate do primeiro mês de atraso.

Para esse tipo de pagamento, deve-se gerar novo DAS relativo ao mês em atraso, e esse já virá com os acréscimos dos juros e multa.

Assim, o MEI não precisa de contador, mas a contratação de um profissional pode ajudar muito o seu negócio.